Voltar Publicada em 17/08/2022 | Brasília

ELEIÇÕES 2022 – Ministro Alexandre de Moraes libera processo e julgamento de Ivo Cassol será retomado no dia 26


 

Para entrar em nosso Grupo de Notícias do Facebook
CLIQUE NO GRUPO

O ministro Alexandre de Moraes devolveu nesta quarta-feira (17), os autos da medida cautelar em revisão criminal apresentada pelo ex-senador Ivo Cassol (PP), no Supremo Tribunal Federal (STF), onde ele conseguiu liminar para concorrer ao governo do estado. Na última sexta-feira (12), Moraes pediu vistas após a apresentação do voto de Nunes Marques, favorável a Cassol. Agora a com a devolução, o julgamento prossegue de forma virtual, começando no próximo dia 26 de agosto, seguindo até 2 de setembro, segundo a pauta do STF.

Nunes Marques é o relator do caso no STF e atendeu o pedido apresentado pela defesa do ex-governador, suspendendo os efeitos da condenação imposta pela própria Corte na Ação Penal 565. Cassol alegou que quando foi condenado os supostos crimes já estavam prescritos, daí não pode passar oitos anos inelegível. No ano passado ele havia impetrado com revisão criminal, alegando exatamente essa situação

O ministro entendeu como razoável os pedidos de Cassol e concedeu a medida liminar, suspendendo os efeitos da condenação penal. “Tal o contexto, entendo existir relevância nas argumentações acima transcritas, bem como que está presente o “periculum in mora” que autoriza a concessão do pedido liminar, ainda que em parte. É que a ocorrência do perigo de dano, no caso, é irreparável, uma vez que o prazo para definição dos nomes dos candidatos do Partido Progressista ocorrerá no próximo dia 05 de agosto de 2022 e, assim, se os efeitos da inelegibilidade da condenação penal em análise não forem suspensas, poderá o requerente ficar fora da disputa eleitoral de outubro/2022, embora, se verifique ter havido o cumprimento integral da pena imposta, com a extinção da punibilidade em 14/12/2020. Ante o exposto, concedo o pedido cautelar a fim de suspender os efeitos remanescentes da condenação penal, até o julgamento da presente Revisão Criminal”, disse.

Entenda o caso

Em agosto de 2013, o STF condenou Ivo Cassol, Salomão da Silveira e Erodi Antônio Matt pela prática de crimes de licitação, por 12 vezes, na AP 565, por fatos que ocorreram entre 1998 e 2002. A pena aplicada a cada um foi de quatro anos, oito meses e 26 dias de detenção, mais multa.

Eles  ajuizaram embargos de declaração nos embargos de declaração. Em contrarrazões, o MPF considerou mera reiteração de argumentos dos primeiros embargos, manifestando-se pela rejeição e determinação de urgente execução da pena. Em novembro do ano passado, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, requereu prioridade no julgamento da ação penal, “a fim de proporcionar a adequada resposta penal aos fatos”.

Após o pedido, o Plenário do STF concluiu, em 14 de dezembro de 2014, o julgamento dos embargos de declaração nos segundos embargos, opostos por Ivo Cassol, e de embargos de declaração nos terceiros embargos de declaração, opostos por Salomão da Silveira. Prevaleceu o voto que acolheu, em parte, os recursos para modificar critérios de fixação da pena.

A pena de Ivo Cassol foi fixada em quatro anos de detenção, permitindo o regime prisional aberto de cumprimento. A pena foi substituída por uma pena restritiva de direitos, consistindo em prestação de serviços à comunidade e multa, mais uma vez, fixada em R$ 201.817,05.Para os réus Salomão da Silveira e Erodi Antonio Matt, a pena foi reduzida para quatro anos de detenção, em regime aberto, substituída por uma restritiva de direitos, consistindo em prestação de serviços à comunidade, e por outra pena de multa, no valor de R$ 134.544,70.

Ministro Alexandre de Moraes libera processo e julgamento de Cassol será retomado no dia 26

Supremo decide julgar liminar de Cassol na sexta-feira

Fonte: Rondoniagora

Fotógrafo: Divulgação

Para entrar em nosso Grupo de Notícias do WhatsApp - Facebook - Telegram
CLIQUE UM DOS GRUPOS