Voltar Publicada em 25/11/2021 | Porto Velho

PROTEÇÃO – Em Rondônia, das 11 mortes, 7 não tinham tomado vacina contra Covid


 

Para entrar em nosso Grupo de Notícias do Facebook
CLIQUE NO GRUPO

Enquanto as autoridades de saúde estão preocupadas com uma quarta onda de contágio da Covid-19, após as festas de final de ano e com a possibilidade do carnaval pouco tempo depois, surge outro problema mais atual: os negacionistas (pessoas que não acreditam no coronavírus e muito menos na vacina) e os que não tomaram a segunda ou terceira dose do imunizante.

Em Rondônia, os casos voltam a crescer junto com as mortes. Na segunda-feira (22), 138 casos e 11 mortes. Na terça (23), um salto: 459 doentes e seis mortos.

Com as mortes da segunda-feira, o Governo do Estado emitiu um alerta: das 11 pessoas mortas, sete não haviam tomado nenhuma dose de vacina contra a doença. As vítimas tinham entre 18 e 67 anos.

A Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) também confirmou que entre as outras quatro vítimas, apenas duas haviam tomado a 2ª dose do imunizante.

"Duas chegaram a tomar a 2ª dose do imunizante dentro do prazo estipulado, sendo que uma vítima tinha 60 anos, mas era imunossuprimida (baixa imunidade) e a outra vítima, um idoso de 85 anos, não chegou a tomar a dose de reforço. As duas outras vítimas que tomaram somente uma dose do imunizante são: uma idosa de 84 anos e outra de 51 anos, que pelo calendário já deveriam estar tomando a 3ª dose da vacina", destacou a Agevisa.

Fiscalização

A partir desta semana, o Tribunal de Contas do Estado (TCE), Ministério Público de Contas (MPC) e o Ministério Público Estadual (MPE) vão fiscalizar medidas adotadas pelo Governo do Estado em razão do número crescente de casos e internações pela Covid em Rondônia.

O aumento na incidência dos casos e de internações, principalmente entre não vacinados, e a preocupação quanto à flexibilização das medidas sanitárias foram temas de uma reunião na terça-feira (23), na sede do TCE, envolvendo representantes da Administração Estadual e de órgãos de controle.

O crescimento de casos da Covid-19 nos últimos dois meses foi destacado durante o encontro. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), houve aumento de 300% no índice de doentes, passando de 650 casos ativos no Estado – no ponto mais baixo – para os atuais 2.433 casos.  

Ainda de acordo o órgão de saúde, também houve, embora não na mesma proporção, o aumento do número de internações. E o cenário, ainda segundo os gestores, só não é pior, em razão da chamada “imunidade ativa”, ou seja, aquela causada pela vacinação em massa das pessoas.  

Conforme explicado, com duas doses tem-se considerável imunidade contra as variantes do novo coronavírus, entre as quais, a Delta.  

Outro dado importante: 60% dos casos de internações são de pessoas que não se vacinaram ou não completaram o ciclo vacinal.

Chamado

O diretor-geral geral da Agevisa, Gilvander Gregório de Lima, esteve em Ariquemes numa ação de conscientização com equipes das Vigilâncias Epidemiológica e Ambiental e a Secretaria Municipal de Saúde para aumentar a cobertura vacinal no município.

Gregório fez um apelo novamente para que a população procure um posto de vacinação e se proteja. 

“Temos que frear a circulação desse vírus. Pensar em nossas crianças que não podem ser vacinadas e na hipótese de que se continuar circulando, esse vírus pode ter mutação e gerar outra variante e não queremos isso. Por isso encarecidamente pedimos à população de nosso estado: tome a 2ª dose e quem já tiver quatro meses que tomou a 2ª dose, tome a dose de reforço”.

 

Fonte: Rondoniaovivo

Fotógrafo: Divulgação

Para entrar em nosso Grupo de Notícias do WhatsApp - Facebook - Telegram
CLIQUE UM DOS GRUPOS